Educação e teorias do conhecimento: aproximações à epistemologia feminista e sociologia da infância

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.10700654%20

Palavras-chave:

Epistemologia Feminista, Sociologia da Infância, Pedagogia Feminista, Relações de Gênero

Resumo

A compreensão e o trabalho com as teorias do conhecimento das ciências humanas e sociais, principalmente ao longo das formações de pesquisadores, tornam-se muito importantes, haja vista, o intuito de se construir um novo paradigma de ciência. A Epistemologia Feminista possibilita uma ciência mais equânime e de certa maneira, também mais acessível a todos, ao possibilitar que os sujeitos que geralmente são exclusos no âmbito social possam assumir o protagonismo social. O presente artigo tem como objetivo apresentar de forma breve a conceituação de Epistemologia, com ênfase na Epistemologia Feminista, abordando alguns de seus aspectos históricos, sociais e científicos, bem como a discussão de conceitos fundamentais para compreensão das contribuições dessas teorias para a educação na perspectiva da Pedagogia Feminista e Sociologia da Infância considerando as relações de gênero. Para a discussão da temática, o estudo fundamentou-se em autores como: Louro (1997); Longino (2008); Schiebinger (2001); Rago (1998); Scott (1995); Sarmento (2005) Faria e Finco (2011) entre outros. A pesquisa é de natureza qualitativa e utilizou-se da pesquisa bibliográfica como instrumento metodológico. A partir da investigação foi possível identificar que a Epistemologia Feminista critica a ciência tida como neutra, e concomitante a isso, a Pedagogia Feminista e a Sociologia da Infância podem possibilitar uma grande transformação no campo epistemológico, não adotando um conceito de verdade absoluta e universal, mas considerando múltiplos conhecimentos e sujeitos produtores deste, além de criticar a perspectiva androcêntrica do campo da ciência e educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BANDEIRA, L. A contribuição da crítica feminista à ciência. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 288, janeiro-abril/2008. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ref/v16n1/a20v16n1.pdf>. Acesso em: 03 de ago. de 2019.

CALVELLI, H. G; LOPES, M. de F. A teoria do conhecimento e a epistemologia feminista. Minas Gerais, 2012. Disponível em: <http://www.hcte.ufrj.br/ downloads/sh/sh4/trabalhos/Haudrey.pdf>. Acesso em: 10 de ago. de 2019.

CORSARO, W. A. Sociologia da infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

DELGADO, A. C.; MÜLLER, F. Sociologia da infância: pesquisa com crianças. Educ. Soc., Campinas, vol. 26, n. 91, maio/ago. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v26n91/a02v2691.pdf>. Acesso em: 21 jun. 2016.

FARIA, A. L. G. de. Pequena infância, educação e gênero: subsídios para um estado da arte. Cadernos Pagu, n. 26, jan./jun. 2006, p.279-287. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/cpa/n26/30394.pdf>.

FARIA, A. L. G.; FINCO, D. (Orgs.). Sociologia da Infância no Brasil. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2011.

FARIA, A. L. G.; MACEDO, E. E. de; SANTOS, S. E. Movimentos Antropofágicos. In: GEPEDISC. Infâncias e movimentos sociais. Campinas, SP: Edições Leitura Crítica, 2015. p. 13-16.

HARDING, S. A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista. Revista Estudos Feministas. v. 1, n. 1, 1993. Disponivel em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/15984/14483. Acesso em: 16 de ago. de 2019.

______. Ciencia y feminismo. Tradução de Pablo Manzano. Madrid: Ediciones Morata, 1996.

HESSEN, J. Teoria do Conhecimento. 7 ed. Portugal: António Correia, 1980.

JENSEN, J. S. Epistemologia. REVER: Revista de Estudo da Religião, ano 13, n.2, p.171-191, 2013.

LONGINO, H. E. Epistemologia feminista. In: GRECO, J.; SOSA, E. (org.). Compêndio de Epistemologia. São Paulo: Loyola, 2008. p. 505-545.

LOURO, G. L. "Gênero, história e educação: construção e desconstrução”. Educação& Realidade. Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 101-132, jul./dez. 1997.

MORAES, M. C. M. Recuo da teoria: dilemas da pesquisa em educação. Revista Portuguesa de Educação, Lisboa, v. 14, n. 1, p. 7-25, 2001.

PAIVA, M. S. TEORIA FEMINISTA: O desafio de tornar-se um paradigma. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília, v. 50, n. 4, p. 517-524, out./dez., 1997.

RAGO, M. Epistemologia Feminista, Gênero e História. In: PEDRO; JOANA; GROSSI; MIRIAM (Orgs.). Masculino, Feminino, Plural. Florianópolis: Ed. Mulheres, 1998. Disponível em: <http://projcnpq.mpbnet.com.br/textos/epistemologia_feminista.pdf>. Acesso em: 23 de ago. de 2019.

SARDENBERG, C. M. B. Da Crítica Feminista à Ciência a uma Ciência Feminista? Larys. Estudos Feministas. v.11, p. 45, 2006. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/.../Versão%20FInal%20Da%20Crítica%20Feminista.pdf. Acesso em: 18 de ago. de 2019.

SARMENTO, M. J. Gerações e alteridade: interrogações a partir da Sociologia da Infância. Educação e Sociedade, v. 26, p. 361-378, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v26n91/a03v2691.pdf. Acesso em: 12 de abr. de 2018.

SARTI, C. A. O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória. In: Estudos Feministas, v. 12, n. 2, Florianópolis, 2004.

SCOTT, J. W. “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SILVA, P. R. da S. A presença masculina na Educação Infantil: diversidade e identidades na docência. In: FINCO, D.; FARIA, A. L. G. de (Orgs.). Sociologia da Infância no Brasil. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2011, p. 105-118.

TESSER, G. J. Principais linhas epistemológicas. Educar, Curitiba, n. 10, p. 91-98, 1995.

Downloads

Publicado

2024

Como Citar

SANTOS, T. C. C. Educação e teorias do conhecimento: aproximações à epistemologia feminista e sociologia da infância. Cadernos de InterPesquisas, [S. l.], v. 2, p. 118–135, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.10700654 . Disponível em: https://esabere.com/index.php/cadips/article/view/88. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Textos